Gravidez Ectópica

Também conhecida como gravidez extra-uterina, é produzida quando está localizada fora do útero, na maioria dos casos, em uma das trompas de Falópio.

Ocorre quando o óvulo foi fertilizado por um espermatozoide, mas ao invés de seguir o caminho até o útero, fica preso na trompa. Devido ao tamanho pequeno deste órgão, não é possível que um bebê possa crescer e se desenvolver ali, sendo sempre necessária a interrupção da gravidez. Se o embrião segue crescendo, produz uma ruptura na trompa causando hemorragias, que põe a saúde da mãe em grande risco.

Por meio dos testes para comprovar a gravidez, como a ultrassonografia ou a laparoscopia, é possível observar quando o embrião está localizado no útero ou não. Muitas vezes é detectado desta forma, antes que o embrião cresça o suficiente para danificar a trompa e pode ser tratado com medicamentos, operação a laser ou cauterização, sem prejudicar a trompa e manter a mesma fertilidade que antes.

No entanto, em muitos casos não existe a suspeita de gravidez, pois os sintomas aparecem quando já há uma fissura. Isto provoca leves sangramentos de consistência mais líquida e cor mais escura que a da menstruação, dores de um lado do seu abdômen e, se não for tratado, pode causar dores nos ombros, enjoos, baixa pressão arterial, tonturas e vômitos. Nestes casos, é urgente um controle médico para confirmar a gravidez ectópica e, geralmente, realizar uma intervenção cirúrgica para interromper a gestação.

Sempre se tenta preservar a fertilidade da mulher o máximo possível. No entanto, há ocasiões em que é necessário extrair a trompa onde o embrião está localizado, pois já foi muito danificada. Isto reduz a fertilidade, mas não significa que outra concepção não possa ocorrer, já que a outra trompa ainda estará lá. A gravidez extra-uterina não afeta suas futuras gestações, já que são muito baixas as porcentagens de ocorrências nas próximas gravidezes.

Você por estar interessado

Prurido (comichão)

A barriga coça? Novamente, a alteração hormonal produzida durante a gravidez é a culpável. É normal que isso aconteça, mas é sempre melhor verificar com seu médico.

Prurido (comichão)



A barriga coça? Novamente, a alteração hormonal produzida durante a gravidez é a culpável. É normal que isso aconteça, mas é sempre melhor verificar com seu médico.

O prurido na pele é comum na gravidez. Sua pele está mais seca e geralmente pode causar a coceira. Pode ocorrer em qualquer parte do corpo, mas especialmente na pele do abdômen e principalmente nas estrias que parecem progredir na gravidez. Você também pode ter prurido ao redor dos tornozelos que está ligada as alterações nas veias das pernas. De qualquer forma, é um prurido leve que não a deixar acordar na noite e raramente deixa marcas de se ter coçado.

O prurido cede com a aplicação de loções hidratantes, mas você deve consultar com seu médico ou dermatologista para saber o que você não pode usar.

Em outros casos, o prurido pode ser devido a infestações parasitárias, tais como escabiosis (sarna), doenças hepáticas como cirrose biliar primária ou colestase gravídica, doença renal, tireoidea ou cutânea. Em geral, nestes casos, o prurido pode ser muito intenso, especialmente nas palmas e nas plantas do pé, chegando a acordá-la na noite ou não a deixar dormir. Isso também causa uma comichão tão intensa que deixa marcas. Com qualquer uma dessas últimas características, é importante consultar com o médico.

Você por estar interessado