O bebê recém-nascido e a respiração

Se prestar atenção à respiração do seu bebê, poderá descobrir que o que está acontecendo e o que ele espera que você faça. No caso de ter um ritmo acelerado, certamente há um motivo, mas também há formas de normalizar.

Uma das grandes necessidades do seu bebê recém-nascido é o oxigênio. Claro que todos nós o necessitamos, porém já deve ter notado que quando o pequeno chora ou não consegue dormir, sua respiração costumar a mudar de ritmo. Respirar é uma tarefa nova e não tão fácil para ele. O bom é que você pode ajudá-lo.

As alterações na respiração do bebê expressam, para uma mamãe que quer ouvir, aquilo o que está sentindo e também o que está necessitando. Se estiver temeroso, perceberá que respira em intervalos curtos. Em compensação, se estiver com raiva, altera o ritmo da respiração com gritos e choro no meio.

Como acalmar o seu bebé?

 

Uma ótima maneira de o acalmar qualquer que seja o incômodo é ajuda-lo a recuperar sua respiração normal. Para isso, é recomendável que o leve a um lugar tranquilo, onde nada possa te distrair, e comece a sincronizar a sua respiração com a dele.

A primeira coisa que pode fazer é o abraçar e unir o seu peito ao dele. Preste atenção na respiração do seu pequeno e entre no ritmo, sempre em silêncio sem imitar os gritos e nem o choro. Aos poucos, comece a respirar mais devagar e continue assim até notar que o bebê compreendeu o ritmo e lhe siga. Mantenha-se deste modo até escutar e sentir o suspiro que anuncia o regresso da calma.

Um recurso alternativo para quando isto não funcione: sair de casa para passear, mesmo não havendo comprovação científica de que o vai e vem do automóvel ou do carrinho, e a mudança de ambiente, façam milagres.

Você por estar interessado

Bancos de células-tronco

Estudos recentes indicam que no sangue do cordão umbilical do recém-nascido se encontra uma grande quantidade de células-tronco, as quais podem servir, por exemplo, para o tratamento de muitas doenças.

Células-tronco são as células que possuem a capacidade de criar todos os tecidos, órgãos e sistemas do organismo e, além disso, são capazes de se dividir infinitamente.

As células-tronco obtidas da medula óssea, localizada no centro de alguns ossos, são utilizadas em transplantes para tratar de doenças do sangue e do sistema imunológico, como leucemia, linfomas, síndromes mielodisplásticas, talassemia, tumores de medula óssea, entre outros.

Tratamento de doenças


De acordo com estudos, a utilização de células-tronco provenientes do cordão umbilical permite o tratamento de algumas doenças, evitando o risco de incompatibilidade no transplante, já que não é possível que sejam rejeitadas pelo organismo quando provém do mesmo indivíduo.
Por outro lado, como se encontra em etapa experimental, os cientistas prevêm que a utilização das células-tronco poderá ser a cura para doenças como diabetes, artrose reumática, lupus eritematoso e mal de Parkinson e Alzheimer.

Quais países contam com esse desenvolvilmento científico?


Brasil, Argentina, Estados Unidos, Inglaterra, Espanha e México contam com empresas, tanto no âmbito privado como público, que oferecem o serviço de Bancos de células-tronco de cordão umbilical. As empresas privadas oferecem um seguro biológico próprio, uma reserva de células-tronco particular que pode ser utilizada quando o doador necessitar durante sua vida, ou quando quiser doar a algum familiar direto com quem ele seja compatível.

Quanto ao âmbito público, há hospitais que oferecem a possibilidade de doação de sangue do cordão umbilical para formar parte do Banco Público de Sangue do Cordão Umbilical à disposição de pessoas que necessitem.

Como todo novo desenvolvimento científico, existem posições divergentes quanto à utilidade que um indivíduo particular possa dar a sua própria reserva de células-tronco provenientes do cordão umbilical, mas a comunidade cientifica ainda não provou a utilidade e o potencial que essas células-tronco possuem.

Você por estar interessado