Episiotomia

Episiotomia

O que é a episiotomia? Ela é realizada em todos os partos? Pode me trazer complicações durante o pós-parto? Estas e muitas outras perguntas são feitas à medida que o momento de dar à luz se aproxima.

Como tantas outras mulheres, talvez você se pergunte: como é possível que um bebê possa passar por um canal tão pequeno como o da vagina? A resposta está no quão maravilhoso é o corpo humano e os sábios mecanismos da natureza.

No momento do parto, os tecidos da vagina se dilatam naturalmente para fazer com que o bebê nasça. Além disso, o médico tomará precauções para que você não tenha nenhum “rasgo” produzido pela força que o bebê realiza ao sair.

Mesmo assim, algumas vezes esses procedimentos não são suficientes e, por isso, a decisão de fazer uma episiotomia é tomada.

O que é a episiotomia?

A episiotomia é um pequeno corte na parte inferior da vagina chamada períneo, que se realiza durante o parto para evitar que se produza um “rasgo” nessa região, que poderia trazer alguns inconvenientes e incômodos após o parto.

Quando ela é necessária?

Esse procedimento se realiza nos casos em que a mãe não tenha suficiente dilatação ou que o bebê deva nascer antes que se termine essa fase do parto. Esse pequeno corte é feito utilizando anestesia local e, após o parto, o médico dará alguns poucos pontos para suturá-lo e ajudar em sua cicatrização.

Como muitas outras coisas na medicina, houve épocas em que esse procedimento se realizava em todos os partos, no momento atual ele só se faz necessário para prevenir “rasgos naturais” maiores.

Você por estar interessado

Parto de múltiplos

O parto de múltiplos é mais complexo que o de um só bebê. Entretanto, se a gravidez for controlada de forma sistemática por médicos especializados, a maioria das possíveis complicações pode ser previstas.

A forma em que o parto será realizado depende de vários fatores, tais como a quantidade de bebês que vai nascer, a posição em que eles se encontram, a idade gestacional e o estado de saúde da mãe e dos seus bebês.

  • Um parto múltiplo é atendido por uma equipe médica mais numerosa que um parto único, por isso o mais provável é que ele ocorra no na sala de cirurgia, e não na sala de parto. Nesse local os médicos contam com todo o necessário para atender qualquer imprevisto que possa acontecer.
  • Em partos múltiplos costumam participar, além do obstetra, um anestesista e um neonatologista, que examina os bebês no momento do nascimento.
  • Um dado importante é que, quando se espera mais de um bebê, não é aconselhável planejar um parto domiciliar.
  • É provável que durante o parto você fique conectada a um monitor fetal, que auxilia o médico a controlar o progresso de cada bebê.
  • Em uma gestação de gêmeos, no geral, os bebês são menores e pesam menos do que um bebê que não teve que compartilhar o espaço do útero e isso facilita o seu nascimento via parto vaginal. O intervalo entre o nascimento de um bebê e outro em um parto normal é inferior a uma hora. Caso a cesária seja necessária, os bebês nascerão em intervalos de poucos minutos.
  • Um terço dos partos de gestações de múltiplos acontece de forma prematura. Se o parto se adianta, os bebês serão controlados detalhadamente para detectar possíveis sinais de sofrimento. Alguns bebês prematuros necessitam ser levados de imediato a unidade de cuidados intensivos para receber cuidados especiais.

Você por estar interessado